[Desafio das Cartas] Escreva para alguém que se afastou de você

17 outubro 2018

Em algum lugar que não é tão importante, 17 de outubro de 2018

Dear, ou como eu costumo te chamar, vadia 
Acredita que em nenhum momento eu deixei de pensar em você, ou de qualquer forma, na gente? De vez em quando me vejo imaginando o quanto eu te achava linda, idolatrava a ligação que parecíamos ter como se ela fosse um elo inquebrável e infinito, mesmo sendo uma espécie de vínculo que me pegou desprevenida e em um dos momentos que eu mal considerava me apegar tanto a alguém, mas você deu um jeito de destruir qualquer sentimento; por menor que fosse, você foi a responsável por pisotear e esmagar toda moral que eu tinha por alguém como você. 

Você me surpreendeu de uma maneira que ninguém mais conseguiu, e foi em um ponto tão extremo que eu faço questão de te parabenizar por tanta manipulação e joguinhos de interesse. Se no começo eu fiquei triste por você ter ido embora? Mas é claro que fiquei, no entanto depois caiu a ficha do quanto eu apenas havia ganhado por você ter se afastado, porque nós duas sabemos que foi melhor assim, evitar que eu me contaminasse com tanta sujeira me fez agradecer por cada instante que você ficou longe e continua, é óbvio. 

Lamento dizer, mas a escolha foi sua. Te dei todos os motivos para que fôssemos uma dá outra, aquele tipo de amiga que segura o cabelo da outra depois de colocar para fora toda a bebida de horas antes, mas você escolheu se comportar como uma verdadeira vadia sem limites e escrúpulos, e sem o menor sendo de gratidão por todas as vezes em que eu abri mão dos meus poucos segundos para te ajudar, porque em todos os momentos eu estendi a mão para você enquanto você enfiava uma faca pelas minhas costas. 

Você se afastou, mas eu não me arrependo de não ter feito nada, porque aprendi a não ser como você, aprendi a evitar amizades como a sua, aprendi a me desvencilhar de obstáculos que nos prendem a valores ultrapassados e incomuns, a pessoas que se dizem ser uma coisa quando na verdade são o oposto, cê me fez enxergar a pessoa que realmente quero ser; tudo, menos você. Eu quase cai nas suas armadinhas, quase me iludi com as suas palavras, mas não há caráter que fique muito tempo soterrado quando outro alguém cava o buraco até saber onde está pisando. 

Mas eu tenho uma última coisa para te falar: ter sido a tua amiga, mesmo que por pouco tempo, me fez ter vergonha de mim mesma por ter escolhido você: o vômito da própria terra, a escuridão em forma de esterco, o dejeto do ser humano, a pedra na caminho que tanto Drummond disse. E se um dia você desistiu da gente, foi para a minha sorte, para que eu pudesse ser livre de um atraso que só me faria mal, você é a pior lembrança que eu tenho, e se eu pudesse te apagar, eu apagaria. 

Para vadias como você
Com amor, 
Lua

  • Este post faz parte do projeto que consiste em escrever 31 cartas a uma lista de remetentes. Se você gostou, não deixe de comentar, e não se esqueça de seguir nas redes sociais para acompanhar textos cheios de sentimento e que falam de amor com amor. 

2 comentários:

  1. Uauuuu!!! Guria que textão! Me vi falando para algumas pessoas do passado kkk. Adorei esse projeto. Estou participando de um parecido também.
    Segue o link recente: https://depoisdos30.blog.br/projeto-12-cartas-em-12-meses-outubro/
    bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Camila, fico imensamente feliz por saber que você gostou do texto e se identificou, espero te ver mais vezes por aqui, seja sempre muito bem vinda <3 beijos

      Excluir