Resenha: O Morro dos Ventos Uivantes - EMILY BRONTË

28 dezembro 2017

O Morro dos Ventos Uivantes é o único romance escrito por Emily Bronte, que atualmente é considerado um clássico da literatura inglesa. Sem dúvidas, é uma das melhores histórias que tive a oportunidade de ler nos últimos meses, e por isso, merece ter o seu espacinho aqui no blog. Desde quando eu era criança, ouço falar desse livro, porém apenas agora consegui a chance de começar a leitura e tirar as minhas próprias conclusões sobre a obra. 

Essa não é uma história convencional, onde os protagonistas são sempre os mocinhos da trama, muito ao contrário, todos os capítulos contam com personagens que talvez não sejam tão bons como esperamos que sejam, e a principal intenção do livro não é apenas contar uma história de amor capaz de superar a morte, mas sim mostrar as consequências do ódio e da vingança na vida de alguém, e como isso consegue afetar o ser humano. 

O Morro dos Ventos Uivantes começa com a chegada do Sr. Lockwood após decidir alugar uma propriedade no campo, Wuthering Heights. Um dia, ele resolve ter a oportunidade de conhecer o seu locatário, o Sr. Heathcliff, e logo de cara, a personalidade intrigante do homem desperta sua atenção a ponto de se questionar de onde vem o seu aspecto temeroso, principalmente porque é possível perceber entre as pessoas que vivem ali um clima de ressentimento e ódio, então um grande ponto de interrogação começa a perseguir o Sr. Lookwood, curioso em conhecer a história da família. Devido ao mal tempo e por ter ficado doente, ele é obrigado a ficar os dias em seu quarto, sob os cuidados de sua governanta, Ellen Dean, que desde pequena sempre trabalhou Wuthering Heights, e conhece a história de todos que já passaram por lá. 

— Não é, não — retrucou ela. — É o melhor! Os outros representam a satisfação dos meus caprichos e do desejo de Edgar. Mas este é em intenção de alguém que compreende, no seu próprio ser, os meus sentimentos para com Edgar e para comigo mesma. Não sei expressar-me bem; mas, sem dúvida, você e todo o mundo têm noção de que há ou deverá haver uma existência para além de nos. Qual seria o sentido de eu ter sido criada, se estivesse contida apenas em mim mesma? Os grandes desgostos que tive foram os desgostos de Heathcliff, e eu senti cada um deles desde o início: o que me faz viver é ele. Se tudo o mais acabasse e ele permanecesse, eu continuaria a existir; e, se tudo o mais permanecesse e ele fosse aniquilado, eu não me sentiria mais parte do universo. Meu amor por Linton é como a folhagem de um bosque: o tempo o transformará, tenho a certeza, da mesma forma que o inverno transforma o arvoredo. O meu amor por Heathcliff lembra as rochas eternas: proporciona uma alegria pouco visível, mas é necessário. Nelly, eu sou Heathcliff! Ele está sempre, mas sempre, no meu pensamento; não como uma fonte de satisfação, que eu também não sou para mim mesma, mas como eu própria. Por isso, não torne a falar da nossa separação: ela é impossível e. . .”

Antigamente, o Morro pertencia ao Sr. Earnshaw, e em uma de suas longas viagens, ele trás consigo uma criança chamada Heathcliff, e começa a cuidar dele e a nutrir grande adoração pelo garoto, o que desagradou a sua esposa e principalmente o seu filho, Hindley, diferente de Catherine, sua outra filha, que passa a sentir uma forte ligação com Heathcliff. Após a morte dos seus pais, Hindley assume a responsabilidade de cuidar do Morro, e com isso, começa a maltratar e humilhar Heathcliff de todas as maneiras possíveis, já que sempre ódio a chegada do menino a propriedade. Já Catherine, passa a amar Heathcliff de uma maneira muito intensa, assim como ele, porém acredita que não será completamente feliz caso se cassasse com ele, e por isso, opta por ser casar com o seu vizinho, o Sr. Edgar Linton, que é jovem, bonito e rico. Catherine é uma mulher totalmente egoísta, que coloca suas vontades e desejos acima de qualquer coisa, o que a torna impulsiva. 

Após descobrir que Cathy está prestes a se casar com outro homem, Heathcliff vai embora, foge da propriedade e fica um bom tempo sem dar noticias, até o dia em que ele volta inesperadamente, surpreendendo a todos com a sua nova personalidade, porém sua verdadeira intenção é se vingar de todos que um dia contribuirão para que se separasse de Cathy. 

Heathcliff se torna um homem com o coração cruel, sua amargura é capaz de destruir a vida de qualquer pessoa, e sua história mostra como o desejo por vingança sempre corrompe o que temos de melhor, sempre mata qualquer traço de bondade e gentileza que podemos chegar a ter. Não é apenas uma história para ser lida, e sim sentida, refletida e pensada, tanto com o coração como pela mente. 

2 comentários:

  1. Nossa gostei muito da resenha. Parece um ótimo livro.
    quatroestacoesblog.com

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz de ter gostado da indicação, é um livro maravilhoso.
    Volte mais vezes, beijos <3

    ResponderExcluir