Só mais um doze de junho

12 junho 2017

O dia dos namorados se aproxima. Eu organizo a mesa, disponho os pratos, as taças, as velas para fazer jus ao momento romântico, me sento. Sozinha. O vinho a minha escolha, a playlist que você fez pra mim toca ao fundo. Aqui, eternizo o final de semana que programamos juntas, eu só consigo pensar nos planos que fizemos e não saíram do papel. Daquela lista besta que escrevemos e só demos check no primeiro item. Este seria um dos planos, um jantar a luz de velas depois de um final de semana só nosso. 

A vida passou depressa, do momento em que trocamos o primeiro sorriso ao hoje, quando eu mal sei o que acontece na sua vida e vice-versa. Nunca perguntamos uma a outra se sim ou se não, apenas fomos, vivemos pouco tempo e mesmo assim, depois de tanto brincar de 'ainda não te superei', me caiu a ficha que de fato: eu ainda não te superei. Talvez seja por isso que eu não consigo dar a mão a outro alguém, talvez seja por isso que meus olhos continuam fechados a se tratar de conhecer novas pessoas, talvez esse seja o real motivo por eu querer me manter só, aqui, no teu abraço imaginário. 

Eu lembro como eu morria de medo de você me dizer um eu te amo e lembro mais o quanto meu coração se alegrava quando tu me dizia um 'eu te gosto'. Hoje, sentada aqui nessa mesa, percebo que talvez  nosso 'eu te gosto' fosse bem lá no fundo um eu te amo. Porém mais sincero, mais real. Cada um sabe o verdadeiro sentido dessas palavras e bem, eu, continuo com esse pensamento e espero que no fundo, mesmo sem saber, a gente tenha se amado. 

Três parágrafos e a garrafa está meia, a alma começa a transbordar. Nesse dia dos namorados, espero que você esteja sendo bajulada por algum dos sorrisos que caminharam ao teu lado desde que nossos caminhos se afastaram, que teu abraço faça alguém seguro, que os teus dedos dedilhem um outro mundo, que seja especial, que seja verdadeiro. Reciprocidade. Não que seja fácil imaginar tudo isso, mas para alguém com um coração tão belo e nobre como o teu, não consigo desejar outra coisa. À ti só desejo coisas boas.

As velas iluminam a cozinha, que hoje me parece bem mais pequena, assim como o meu coração que já não cabe uma penteadeira, nem nós dois. Nesse doze de junho faço a minha última oração: que seja só mais um doze de junho, com os olhos brilhando, com as belas lembranças fervilhando, que sobre você, nunca me faltem palavras. Que eu continue encantada com o presente lindo que a vida me deu em ti conhecer. Nos meus tropeços encontrei alguém que me ensinou o valor do perdão, o verdadeiro sentido de querer bem. Você foi e continua sendo essa coisa linda que me encanta. Que muitos me perguntam: o que você vê nela? E eu apenas respondo: um belo de um coração.

- Victória Dantas
Me acompanha nas redes sociais:

0 comentários:

Postar um comentário