Ela é inflexível

01 novembro 2016

Certa vez a vi falar com toda certeza que jamais abriria mão da vida boa para se aventurar ao lado de alguém, afirmava também que seus sonhos eram preciosos demais para serem abdicados por qualquer coisa e que não precisava estar acompanhada para ser feliz. Fiquei chocada, como uma pessoa podia ser tão convicta das ideias que tinha? Como ela conseguia ser tão inflexível? 

Será que ela não percebia o quanto esse jeito afastava as pessoas da sua vida? Talvez nem fizesse por mal, talvez fosse só uma forma de se manter segura, longe das mágoas, dores, essas coisas que acontecem quando deixamos que pessoas façam parte da nossa trajetória. Chamei-a para conversar e logo me encantei com seu olhar super esperto e brilhante, olhos verdes, cabelo meio acinzentado, sorriso bonito, mas aparentemente normal.

Ela me contou dos amores e desamores, das amizades que criaram raízes e das companhias que duraram apenas alguns meses. Ela se abriu pra mim, desabrochou como uma flor e me mostrou algumas das suas pétalas rasgadas, nem se importou em se mostrar sensível ao falar do grande amor que perdeu recentemente, deu tudo de si e recebeu migalhas, puro desprezo. Deixou uma lágrima cair e se refez em um sorriso, disse que algumas pessoas não mereciam o seu choro, era passado, não deveria mais se incomodar.

Expôs todas as cicatrizes com orgulho e disse quase não se lembrar da causa de algumas delas. Já fazia tanto tempo que nem se importava mais. Dentre tantas feridas cicatrizadas havia uma que insistia em não fechar e perguntei a ela por qual motivo aquilo acontecia. Não mediu palavras, falou com todas as letras que a dor daquela ferida era importante para fazê-la lembrar do quão estúpidos nós somos em determinadas situações, era pra não esquecer que se entregar por amor é saltar de uma montanha sem saber o que nos espera lá embaixo e para deixar marcado que não vale a pena cultivar algumas amizades, por isso sempre a cutucava.

Foi então que entendi de onde vinha toda aquela inflexibilidade, a pobre garota tinha perdido a esperança de encontrar um amor verdadeiro, uma amizade leal, alguém que a regasse com todo carinho e cuidado que merecia. Ela tinha decidido que valia muito mais a pena fechar a porta do seu coração antes mesmo de alguém se aproximar, que era mais correto ignorar algumas expressões, algumas boas intenções do que permitir que alguém tentasse muda-lá, estava apenas se precavendo. Não era inflexível porque queria, mais sim porque tinha sido flexível demais e havia quebrado a cara todas as vezes.


- Victória Dantas
Me acompanha nas redes sociais:

2 comentários:

  1. Que coisa mais linda de se ler. Conheço a Vick e ela é um amor de pessoa!
    Parabéns, lindo texto♥
    Beijoooos!!!


    www.ricknegreiros.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que felicidade te ter por aqui Rick <3
      Obrigada por gostar do texto e venha mais vezes!
      Beijos

      Excluir