E eu ainda me importo

04 novembro 2016

Acho que você já deve ter percebido a minha ausência. Não dei notícias, e nem me sinto mal por isso. Dar as costas foi a melhor coisa que fiz pra mim, eu já estava mesmo precisando me desintoxicar de você, da sua falta de jeito no amar, a maneira como você lidava com a gente era um problema, e eu não queria fazer parte da sua vida só pra me tornar alguém que nunca quis ser só pra te fazer sentir melhor quando o mundo não estava lá para te fazer companhia. 

Mas isso não quer dizer que eu não sinta. Por muito tempo já insisti em dizer que você era apenas uma paisagem que ficou ancorada em algum lugar de mim, mas aquelas lembranças distantes e inalcançáveis de vez em quando aparecem. Era só até aquela nossa música favorita tocar na radio, ou ouvir o seu nome em qualquer multidão em que esteja, você sempre volta pra me dizer que nunca foi embora realmente.

Aquela nossa história não foi apagada, por mais que eu tentasse colocar um fim a todos os capítulos que construímos, você sempre foi o personagem principal de cada um deles, uma sombra para tudo o que eu quis abandonar várias vezes. Talvez esse seja o meu castigo. Lembrar das promessas que nunca foram cumpridas, viver repetidamente as vezes em que ameaçou ir embora só para me fazer enxergar o quanto eu ainda era dependente de você.

Não consigo contar as lágrimas que derramei, mas foram muitas. Tantas que tive que acordar no meio da noite pra trocar o travesseiro molhado, porque havia uma tempestade de arrependimento e saudade dentro de mim, que só piorou quando ouvi aquele seu adeus meio repentino. As palavras que nunca quis ter ouvido continuam aqui, me fazem morada quando sua ausência é demais. Nunca contei a ninguém sobre o quanto sinto um vazio no lugar que preencheu, mas é só porque eu tento ser forte quando se trava de você, tento demonstrar que superei, que o tempo apagou o seu rosto, o seu jeito, a sua forma errada de ver o mundo. Me sinto culpada por saber que é uma mentira.

E quando finalmente percebeu que eu não voltaria pra você como já fiz tantas vezes, sua única opção era engolir o orgulho e vir até mim. Eu teria corrido pra me jogar no calor dos seus braços, mas eu amadurei de um jeito que sou capaz de fingir que você nunca deixou as minhas pernas trêmulas e nem o meu coração acelerado. Seu efeito sobre mim pode até ter diminuído, mas as vezes me dá uma vontade de aparecer na sua porta só pra ver a sua cara, só pra saber como você tá se virando sem mim, porque quando você aparece entre um pensamento e outro, eu percebo que ainda me importo. 

2 comentários:

  1. Quando amamos de verdade, carimbamos a alma, o coração, a vida com tudo que nos faz lembrar a pessoa amada. O famoso primeiro amor que não nos permitimos esquecer, aquele que entra sem pedir licença e faz morada em cada canto da gente. Esse mesmo que vez ou outra aparece em nossas vidas e tiram nossos pés do chão. E sinto eu que não faz mal ainda se importar, podem meses passar e ainda lembraremos o olhar, o abraço, o sorriso, a música. Talvez cada um carregue em si um pedacinho de um outro alguém que foi embora e mesmo assim ainda faz de nós sua casa. "Nunca contei a ninguém sobre o quanto sinto um vazio no lugar que preencheu, mas é só porque eu tento ser forte quando se trava de você, tento demonstrar que superei, que o tempo apagou o seu rosto, o seu jeito, a sua forma errada de ver o mundo. Me sinto culpada por saber que é uma mentira."
    Obrigada mais uma vez por ler meus sentimentos <3
    Texto incrível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amo cada comentário que você deixa aqui no blog. Ler cada palavra que você escreve é algo incrível, porque cada linha escreve tão bem o que está no coração, na alma, são tantos sentimentos que aguardamos, e saber que alguém, em algum lugar, também compreende, te entende. Obrigado por fazer parte <3

      Excluir