[Desafio das Cartas] Escreva uma carta para sua paixão

08 novembro 2016

Em algum canto do Brasil, 04 de Novembro de 2016

D,
Nem sei como começar, e muito menos como desenvolver tantas teorias mal escritas de um coração que amou demais alguém que nunca se quer deu valor a todo esse sentimento. Não é impossível abrir mão de tudo e recomeçar uma história onde você não faça parte de nenhum dos capítulos, mas quem disse que eu quero fingir que você nunca existiu.

Às vezes, quando imagino um futuro para mim, involuntariamente todos os meus pensamentos me levam até você. Quando falam de casamento ou sobre como é ter dois filhos correndo e brincando pela casa, eu juro que você é tudo o que me vem a mente. Ainda crio tantos planos para nós, que talvez nem aconteçam, que talvez já tenham sido apagados há muito tempo antes de você me dar um fora daqueles que marcam para sempre, desses que quebram o coração e nenhuma cola vai ser capaz de juntar todos os pedacinhos soltos. 

Era para nossa história ser diferente, você não sente isso? Se você tivesse me deixado derrubar todas essas muralhas de pedras ao redor do peito e se tivesse permitido um pouco mais da minha presença aí na sua vida, a gente poderia ter tentando construir um futuro juntos, mudar o chamamos tantas vezes de destino. Me desculpa, mas você tem tanta culpa quanto eu. Teria dado tudo para te fazer enxergar um pouco desse amor que me acostumei a sentir toda vez que pensava em você e em seguida um breve sorriso tímido aparecia como um aviso de que eu já estava perdidamente apaixonada por você, que todos os meus sentidos me traiam quando eu deixava você fazer morada em mim sem ao menos saber. 

Queria que tivesse sentido a agonia que precisei negar tantas vezes ao saber que você estava tão distante de mim, por mais que estivesse perto demais a ponto de ouvir a sua voz ao mesmo tempo doce e distraída, queria te fazer enxergar a paz que você me transmitia sem ao menos ter consciência disso, mas você não me deu a oportunidade de segurar a minha mão, nem se quer olhou nos meus olhos quando aquele beijo improvisado e incerto tomou contou de nós naquele final de primavera. Será que você teve medo de dar certo?

Me conta porque você nunca me deu uma chance para te fazer sentir o mesmo que eu, para de esconder o que realmente sente e me chama para um café no fim de tarde e me conta porque você nunca lutou por mim, não da mesma maneira que eu tentei fazer o nosso romance dar certo. Você teria sido o suficiente para mim, mas eu acho que nunca bastei para você. Consegui seguir em frente e conhecer algo diferente de todo o sofrimento que você me deixou como um castigo que eu não merecia, escrevi histórias que até então eram desconhecidas e que nunca tinha vivido, mas ainda assim, é você. Sempre foi você. 

Queria tomar um sorvete contigo um dia desses, quem sabe em uma sábado a tarde, quem sabe na minha próxima formatura da faculdade você não esteja lá para me dar os parabéns, quem sabe eu ainda não receba uma mensagem sua no meu aniversário, e quem sabe você não me beije na próxima vez em que nos esbarrarmos por aí, na fila do banco ou no metrô. Ainda acredito em nós, na ideia de esquecer o passado e começar uma nova história, de dizer adeus aos tantos erros que já cometemos, as loucuras que nunca conseguimos realizar. 

Sinto muito por tudo o que nunca fomos, mas ainda não é tarde, e agora só preciso que você também queria dar um sentido a todo esse sentimento aqui no peito, podemos fazer isso junto, tá?

Até breve,
A garota que você nunca amou

  • Este post faz parte do projeto que consiste em escrever 31 cartas a uma lista de remetentes. Se você gostou, não deixe de comentar, e não se esqueça de seguir nas redes sociais para acompanhar textos cheios de sentimento e que falam de amor com amor. 

0 comentários:

Postar um comentário