Essa ressaca não vai curar sua dor

03 setembro 2016

Sexta-feira é dia de balada, quem é que não sabe disso? É noite para aquecer os corações e dar uma esquecida em tudo que fez a nossa cabeça quase explodir durante a semana, como por exemplo, ter que lidar com o chefe pegando no pé, ou a família pressionando você por conta do vestibular que já está chegando, mas sexta-feira é o dia de abrir mão de tudo isso e se dar uma pausa só para não enlouquecer mais do que o normal, é permitir se invadir de bebida, de música, de dança, de amizades, de gente nova, mas quando entrei no banheiro da casa de shows por volta das 23 horas simplesmente percebi que para algumas pessoas não era tão fácil assim abandonar aquele sofrimento interno e fingir que tudo estava ótimo enquanto se deixa levar por uma pista de dança lotada. 

Tinha uma garota ali, abaixada em um canto um pouco afastado da entrada, com a cabeça entre os joelhos, mas minha chegada pareceu despertar sua atenção de um jeito no qual ela se levantou com muita rapidez e um pouco trêmula. Ela havia chorado durante todo o tempo que esteve inquieta consigo mesmo naquele banheiro, era bem visível o rímel borrado, as bochechas molhadas e o batom meio apagado preso aos seus lábios. Silêncio

Quis perguntar o que havia acontecido para aquela garota apresentar uma aparência tão instável, só que a resposta era tão óbvia que não quis deixar meu interesse tão evidente, mas ainda assim, arqueei a sobrancelha com um toque de indiferença, de quem diz que não quer fazer parte daquela história, mas também não quer abrir mão de ajudá-la. Só havia nós duas ali, e foi o clima mais pesado que já presenciei durante toda a noite, porque só precisou do olhar dela de quem diz que o mundo desabou, de quem já passou do limite de aguentar o peso do mundo sozinha. 

Aquela garota era linda demais, só que o olhar dela carregava uma dor do tamanho do mundo. Uma coisa dentro mim disse para abraçá-la, apesar de nunca tê-la visto da minha vida e apesar de ter acabado de vê-la dentro do banheiro feminino com uma garrafa de uísque como se o efeito da bebida pudesse quebrar o vazio do peito. Só que algumas coisas não funcionam assim, garota - eu quis dizer a ela - você está fazendo do jeito errado, e do pior jeito que existe. Você acha mesmo que escolher a melhor roupa do seu guarda-roupa e usar um salto alto vermelho, e depois se embriagar de altas doses de vodka até não conseguir se levantar é a melhor maneira de fugir dos seus problemas? Uma coisa é beber para se divertir, para curtir um momento, para deixar todos os contratempos de lado, e outra coisa diferente é se embebedar de álcool para fingir que tudo está bem, isso é suicídio. 

Garota, para com isso. Minha garganta se prendeu nessas três palavras como se pudesse tirar uma solução delas. Sei que é melhor enfrentar uma pista de dança e um copo de Whisky do que enfrentar suas noites mal dormidas e permitir que todas as suas lágrimas se infiltrem no seu travesseiro, é mais fácil se olhar no espelho com aquela roupa feita pra uma balada do que se vê diante da Netflix com um pote de sorvete igual aos filmes dos Estados Unidos, mas moça, olha pra você agora, achando que uma ressaca vai curar a sua dor, que vai preencher esse vazio, tudo isso por causa de um garoto que não soube valorizar as noites contigo, que não soube ver o melhor em você, tudo isso por conta de um coração quebrado que não vai se curar de uma noite pra outra, muito menos desse jeito. 

Larga essa garrafa de bebida e vai se curar de si mesma, vai se amar. Aqui existem pessoas que vêm porque amam ouvir uma boa música feita para dançar, gente que não tem vergonha de abandonar o inconstante da vida e se jogar na pista com aquele olhar de quem sabe o que faz, de quem não quer perder tempo mais de uma vez com qualquer garoto por aí, porque uma vez basta para entender que alguns idiotas nunca vão aprender a amar de primeira, só depois de quebrarem a cara. 

- É garota, eu sei como é, mas vai passar, uma hora ou outra sempre passa. 

2 comentários:

  1. Sempre que alguém me fala que vai beber para esquecer os problemas eu realmente me pergunto se ela tem tantos parafusos a menos que eu na cabeça. Se embebedar pra fingir que está tudo bem é de fato suicídio, na manhã seguinte os problemas vão reaparecer e junto da ressaca vai ser ainda pior que se estivesse lúcido. Meus amigos nunca entenderam esse meu pensamento. Dizem que sou certinha demais, mas sinceramente, prefiro mil vezes chorar por um amor que se foi assistindo a um romance e comendo besteiras a me embriagar numa sexta à noite. Beber não vai fazer os meus problemas desaparecerem, pelo contrário, ira aumentar a quantidade deles, além de me presentear com uma dor de cabeça infernal, vômitos e um baita mal estar. "[...] você está fazendo do jeito errado, e do pior jeito que existe." Exatamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que não é tomo mundo que tem coragem de enfrentar uma dor, por isso fogem, vivem se escondendo, dão as costas ao invés de tentarem ser fortes ao menos uma vez. Uma noite de bebedeira, de encher a cara, de consumir uma quantidade absurda de cerveja até se esquecer de quem é, é apenas uma mascara, porque é mais fácil fingir que tudo está bem, que as coisas irão se ajeitar na manhã seguinte, mas nada muda, é sempre a mesma vida, a mesma história.

      Excluir