Onde era para gostar, eu amei

01 agosto 2016


Leia essa crônica ao som de Nate Ruess clicando na playlist abaixo.



Passamos tanto tempo imaginando em silêncio como seria um abraço de quem amamos, uma viagem em direção ao mundo, um sentimento forte consumindo nossa identidade, mas quando somos finalmente surpreendidos por uma realidade repentina e incerta, é como se todo o passado fosse desconfigurado outra vez. A vida se torna imprevisível a partir do momento em que criamos planos inteiros dentro da gente e nenhum parece ser bom o suficiente para ser cumprido. 

Nos jogamos na direção das almas, no sentido de corações fracos e sensíveis buscando algo, tentando nos aprofundar em sonhos e nos enraizarmos em devaneios que fogem do controle, mas o impulso que fazemos para atingir essa possibilidade é intenso demais a ponto de não existir mais tempo para abrirmos o paraquedas enquanto o fim se aproxima lentamente. Navegar em vidas que não conhecemos totalmente é quase tão arriscado quanto criar um futuro que sempre almejamos. 

Mas os riscos são como obstáculos que antecedem a verdadeira fé, são buracos que precisam ser evitados à medida em que também avançamos pela vida. Não sou fã de começos clichês, mas era uma vez uma garota que amou demais, e em terra de amizade, amor deve ser um sentimento proibido. 

Grande parte das minhas certezas foram quebradas como um quebra-cabeça sendo desconectado de suas peças essências: eu não sabia quem eu era, pois haviam tantos pedaços soltos de mim por aí, e achá-los era como me perder ainda mais. Mas sabe quando encontramos alguém incrível o suficiente para consertar todos os erros que cometemos? 

Foi desse jeito que tudo começou a mudar. Não pelo perdão que recebi, ou pelo pedido de desculpas que foi aceito, mas pela maneira como a vida passou a ser vista por mim. Havia uma beleza em tudo o que via, uma intensidade em cada simples detalhe que absorvia, um toque de grandeza e amor em parcelas profundas de tudo o que já havíamos vivido. 

Aquela pertubação em todos os meus sentidos só chegou até mim quando comecei a notar o quão ele era inexplicavelmente tudo o que eu precisava. Era uma essência que transbordava, e eu já não sabia como controlar meu instinto em querer me aconchegar naquele abraço sempre que o mundo se tornasse cinza, e o medo fosse maior do que minha coragem, e os problemas complexos demais para encontrar uma solução. 

A magia que emanava dele fazia as palavras fugirem do meu alcance, e achá-las no meio de todas essas linhas me levou ao único lugar no qual eu queria ocupar: qualquer pedacinho que fosse ao seu lado, de mãos dadas, caminhando sob o sol de verão, ou sob gotas de chuva que vinham para limpar, para tirar todo o passado e recolocar a esperança de continuar amando, e enxergando a vida da melhor maneira que nosso coração permitir. 

2 comentários:

  1. Amei o texto e me identifiquei muito com: "...em terra de amizade, amor deve ser um sentimento proibido." Sofri muito por isso, mas hoje as coisas estão mais suaves. A distancia ajudou, as vezes tenho certeza que superei, mas ainda tenho aqueles dias que me dizem o contrário!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que comentário mais incrível, simplesmente amei saber que você se identificou com o meu escrito, minhas palavras, um pedacinho de tudo que consegui absorver de tudo o que já vivi, de todas as experiências que já vivi. A vida é assim mesmo, coisas ruins acontecem da mesma maneira que coisas boas, é assim que amadurecemos e aprendemos, mas lembre-se que tudo pode se transformar em um recomeço. Volte sempre linda, eu fico muito feliz por receber comentários como esse <3

      Excluir