Bagunça de alma vazia, e de coração rebelde

11 agosto 2016

Quando abri os olhos pela manhã, eu já não era mais o pássaro solto de meses atrás. A cama ainda estava bagunçada. Não senti a mínima vontade de levantar e arrumá-la, então continuei encolhida, como se ali não pudesse existir mais ninguém, porém para o meu azar, havia alguém no qual uma parte de mim não estava disposta a ver.
Essa era a graça de estar casada. Em uma relação como essa, você não pode simplesmente fugir de suas responsabilidades, porque o medo de assumir seus erros não pode ser maior do que as próximas consequências, por isso eu fiquei tanto tempo presa a alguém que não merecia. Às vezes, achamos que reconhecer nossas fraquezas é continuar sendo fraco, mas é sempre daí que surge a vontade de fazer algo para mudar. 
E quem dera eu tivesse tido essa coragem para começar de novo, para gritar um basta alto o suficiente para todo o bairro ouvir, mas o silêncio é como câncer, vai matando a gente por dentro lentamente
- Tudo bem, amor? - o tom suave daquela voz me fez despertar para a realidade, porém de um jeito inesperado e confuso. Ele se ajeitou ao meu lado, se aconchegando como se pudesse permanecer ali para sempre. 
Balancei a cabeça, e logo em seguida, uma pontada de dor pareceu explodir contra todos os meus neurônios. Reprimi um gemido, e minha garganta se fechou. Não consegui sorrir.
Ainda em silêncio, tentei sair do quarto, mas fui rendida pelo toque gélido e forte de Júlio. 
- Você não parece bem - ele disse. 
- Estou cansada. Só isso. - tentei mentir, mas a voz fraca parecia entregar tudo. 
Desci as escadas correndo, tão rápido a ponto de não aguentar meus próprios passos. Entrei no banheiro do primeiro andar. O ambiente ainda frio e úmido me fez arrepiar, mas eu vasculhei o cesto de roupa como alguém que procura uma salvação. 
Disquei o primeiro número que veio a mente. 
- Alô - alguém do outro lado respondeu. - Mari?
Apesar de saber que Henrique não veria, balancei a cabeça, e entre lágrimas que rolavam impassíveis, encontrei minha própria voz. 
- Não aguento mais. Me ajuda, por favor. 
- Calma, Mari. 
- Algo que não tive nesses últimos meses foi calma. 
- Limpa seu rosto. Para de chorar - Henrique exigiu. - Agora. 
- O que vai adiantar? Ele vai perceber, sempre percebe. 
Encarei meu reflexo no espelho embaçado. A parte extrema dos meus lábios estavam marcadas por fragmentos roxeados, e aquela mesma cor enegrecida parecia circular o ponto onde meus olhos mal se abriam. 
- Você pode fazer diferente. Ser livre outra vez. Me encontrar na próxima quinta a noite e a gente dança até o restante dela. 
- Isso é impossível. Se eu sair, Júlio me mata. 
- Na janela da cozinha, na parte de fora tem um frasco. 
- Não posso fazer isso.
- Então você prefere que te matem aos poucos? 
- Não tem outro jeito?
- Só volta pra mim, Mari.
- Sem problemas. 
Ele desligou. Limpei o rosto, e fiz o possível para melhorar aquela aparência fúnebre. Depositei o celular no cesto, sob uma pilha de roupas sujas, e sai. Peguei o vidro depositado na parte de fora da janela e despejei todo o seu conteúdo na pequena xícara de café. 
- Júlio, preparei o seu café. - disse ao entrar no quarto. 
Ele estava nu, e enquanto se vestia, parecia reparar na beleza dos pássaros que dançavam lá fora, em mais uma manhã de inverno. Minhas mãos tremiam, mas quando entreguei a ele o café quente, não reparou no meu incerto nervosismo. 
- Parece melhor. 
Sorri, olhando para o seu peito descoberto. 
O primeiro gole pareceu descer rapidamente. Quente e seco, sem hesitar. O segundo foi mais demorado, e ele parece apreciar o leve sabor da bebida. 
- Me desculpa, Júlio. Eu te amo. 
- Porque... - ele começou, mas não houve tempo. 
Sua circulação já devia estar dominada por aquele líquido incolor e neutro. Tentei segurá-lo antes que caísse, mas o tempo era inexistente, os segundos se dissolveram em pó, e uma história chegou ao fim, e eu não sabia se era a dele, ou a minha. 
Por um último impulso, beijei os seus lábios, frios como sempre. 
- Apesar de tudo, eu sempre te amei. 
Olhei os pássaros soltos pela janela, e sorri. Sem culpa, sem dor, e sem arrependimento. Livre e fria. 

2 comentários:


  1. Oi! Passando para de falar que te citei lá no meu blog! Espia lá http://bit.ly/2aI7Ts8
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiee Luisa, que novidade incrível.
      Obrigado pelo carinho. Vou dar uma espiada agora no seu blog.
      Espero que esteja gostando do conteúdo do blog.
      Bjs,

      Excluir