PLAYLIST - Músicas para se ouvir enquanto escreve

28 julho 2016

A música é um remédio para a alma, para as feridas que sagram sem se ver, para os machucados de guerra que ninguém consegue sentir. É nosso refúgio quando somos aprisionados pela rotina, pela continuidade de sempre fazer o mesmo. Música é sinal de inovação, de poder começar novamente quando o passado volta para nos perseguir.

É criar uma nova imaginação a partir de um som desconhecido e agradável, abrir mão do velho e se sentir dominado por tudo que o mundo é capaz de trazer em uma quinta-feira de pouco sol. Sonhos repentinos que movem a alma, a essência do artista em contato com quem realmente somos. Som que a vida não despensa, que absorvemos tão rápido quanto a história que a música pretende transmitir.

Minha profissão atualmente (além de desempregada) é escrever sempre que posso, fazendo o possível para preencher as páginas em branco dos meus cadernos velhos ou acrescentar palavras aos arquivos do computador, porém cada segundo que é perdido na escrita, é ganho dentro de mim, pois o único jeito de ser bem sucedido naquilo que se faz, é amando sua arte.

A música é um instrumento fundamental na minha carreira como escritora, e sem ela, muitos textos que escrevi não teriam essa essência tão particular e misteriosa. Criei uma playlist para expressar o meu amor pela ideias criativas e bem vidas que consigo captar, e o quanto a inspiração pode vir de lugares que menos esperamos, e de letras que não sabíamos que existiam.



Espero que tenham gostado das indicações. Comentem o post para expor sua opinião quanto ao que foi abordado, e se vocês também são apaixonados por música, e tem sua própria playlist, comenta comigo, será um prazer. Bj da Lua. 

Enquanto eu ainda te amar

26 julho 2016


Ele era minha imaginação quebrada, e o suspiro repentino de uma alma cheia de sonhos, porém não havia em si a sanidade que eu tanto buscava. Vivíamos em realidades totalmente distintas, como se fossemos o preto e o branco, o amor e o ódio, a verdade e a mentira, e tudo aquilo que não fosse possível perceber através do infinito mar de mistérios que cobriam nossos segredos mais íntimos.

Era difícil acreditar que eu havia finalmente decidido abrir mão, e que meu coração ainda batia loucamente enquanto minha mente era dominava por uma avalanche de recordações confusas e repentinas, mas tão reais quanto o passado.

Mas tentar parecia ser tão cansativo, e a cada pedaço de vidro que era descartado, mais um segundo de vida pairava distante para sempre, longe do toque abrangente de calor e frio que sua confusão me obrigava a sentir.

E você sabe que nunca implorei por um abraço, ou pela paz que sua presença me transmitia quando respirávamos o mesmo ar, porque de alguma maneira, eu sempre conseguia me lembrar da leveza de suas asas, e do jeito libertador que era capaz de voar, cada vez mais alto até tocar a imensidão dos céus e alcançar o brilho das estrelas, e perceber então que o  amor deve ser recíproco, e não implorado, deve ser espontâneo e abranger a salvação que o mundo precisa, que uma parte de mim necessita, deve curar feridas antigas e sarar ferimentos de guerra, deve fazer você enxergar beleza em meio ao caos, e que o sofrimento só existe para trazer paz aos desabrigados, e o amor deve existir porque sem ele, nunca seremos humanos de verdade.

Nunca deixei que aquele amor do passado fosse esgotado, e toda vez em que meus sentimentos transbordavam, era sempre para torná-lo acessível a você. Algumas coisas foram feitas para passar do limite, pois somente assim é possível ultrapassar o medo e todas as barreiras que o ódio coloca entre as pessoas.

Éramos mais do que um pensamento confuso. Ficar ou ir embora era sempre a única questão que nunca partia depois de uma noite chuvosa, e que permanecia lá em uma manhã ensolarada depois do café da manhã; você era cada batimento que eu não conseguia ignorar, porque se eu ignorasse, o mundo se tornava uma massa escura, fria e sem vida, e uma parte de mim sonhava em viver, continuar vivendo pela única coisa que ainda valia a pena: te sentir em cada parte da escrita que eu construía. 

SERIAL KILLERS - um livro para quem gosta de estudar crime

24 julho 2016

SINOPSE

"O que faz gente aparentemente normal começar a matar e não parar mais? O que move – e o que pode deter – assassinos em série como Ed Gein, o psicopata americano que inspirou os mais célebres maníacos do cinema, como Norman Bates (Psicose, de Alfred Hitchcok), Leatherface (O Massacre da Serra Elétrica, de Tobe Hooper) e Hannibal Lecter (O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme). Como explicar a compulsão por matar e o prazer de causar dor, sem qualquer arrependimento? De onde vem tanta fúria?



As respostas estão no novo lançamento da editora DarkSide Books: Serial Killers, Anatomia do Mal, dossiê definitivo sobre o universo sombrio dos psicopatas mais perversos da história. Escrito por Harold Schechter – que pesquisa o tema há mais de três décadas e já publicou, inclusive, a biografia de Ed Gein, Deviant (1998) -, o livro é referência fundamental a todos os que se interessam pelo universo da investigação e da criminologia. Pontuado por curiosidades macabras, dados científicos e fatos pouco conhecidos sobre a trajetória dos principais criminosos em série dos Estados Unidos, Serial Killer, Anatomia do Mal abrange desde a criação do termo serial killer no início do século XX até o fascínio exercido por matadores seriais na cultura pop (cinema, música e literatura)."

MINHA EXPERIÊNCIA COM A LEITURA
Minha decisão em comprar o livro Serial Killers: Anatomia do Mal foi um pouco inesperada. A primeira vez em que passou pela minha cabeça comprá-lo foi quando eu voltava para casa depois de uma noite inteira no curso; o ônibus quase vazio era um tédio, e o silêncio parecia ensurdecedor, até que observei aquela garota sentada nos primeiros lugares, lendo o livro à medida em que também tentava ler o que estava escrito na capa. 


Foi como se o mundo conspirasse para que eu o conhecesse, e aqui estou com um livro de 473 páginas. Não vou mentir e dizer que a leitura é leve e flui com naturalidade, ela é capaz de manter cada parte de você em um universo muito desconexo do que estamos acostumados. É como manter algo paralelo a nós, e não permitir que isso nos toque realmente. 

Harold Schechter é escritor especializado em criminologia, grande parte do seu tempo é dedicado ao estudo de assassinatos impiedosos e cruéis, principalmente aqueles que ainda são marcas negativas na vida de muitas famílias vitimadas por crimes tão macabros. Suas pesquisas exploram tudo que envolva a ação da violência, deixando evidente questionamentos e respostas que mostrem como um ser humano pode se entregar a desumanidade tão facilmente e quais os pensamentos de quem não se arrepende de fazer mal a ninguém. 


Parece que estamos lidando com uma variedade de ficções que não passam da fantasia, porém à medida em que é possível estabelecer o fio que liga estudos de casos com a realidade, é mais fácil saber que absolutamente tudo que é descrito no livro, realmente aconteceu. 

A parte mais estranha foi relacionar a ideia de que os serial killers são pessoas "normais", mas normal do sentido de terem uma família, de terem filhos, de também irem para a escola e também se relacionarem com todos os tipos de pessoas que estão ao seu redor. É difícil dizer ao certo se alguém é tendencioso a se tornar um assassino em série só pelo convívio, apesar de existirem algumas definições quem tornem isso mais fácil, como por exemplo, se na adolescência matava animais domésticos é um possível sinal, ou se gostava de incendiar coisas, outro sinal. 


A leitura não é indicada para pessoas sensíveis, é uma recomendação que consta nas primeiras páginas. Senti diversas vezes um breve mal estar, o que me obrigou a interromper os capítulos seguintes por algum tempo, até sentir que meu consciência havia absorvido tudo sem afetar meus pensamentos ou quem eu era. Agora entendo porque algumas pessoas entram na área de criminologia e investigação, e depois de algum tempo se tornam tão diferentes: é quase impossível não permitir que as experiências vividas te transformem como ser humano. 

Para entender o que hoje é chamado de Serial Killers, é preciso olhar para o passado e tentar conectar todas os acontecimentos antigos no quebra-cabeça mais atual, por isso é feito uma retrospectiva sobre como o termo se originou, e uma breve introdução aos primeiros assassinatos da história.  É uma análise do tempo em que se remete as principais características deles, e entender sua frieza foi a parte mais tensa. Como pode um coração não se abater diante de tanta dor e morte?


A verdade por trás de todos os estudos de caso são impressionantes a ponto de tirar o fôlego, e mesmo assim é muito comum se perguntar se foi mesmo real, ou continuar com suas próprias dúvidas. Mas a principal questão que me puxou para a leitora foi porque eles matam? É normal não se cansar em buscar respostas desesperadas a essa questão, e nem mesmo a psicologia humana foi capaz de responder a todas, porém a resposta é obvia depois da leitora: eles gostam de matar. 


Em alguns casos, o comportamento cruel e frio é desencadeado por algum dano cerebral, ou algum tipo de abuso infantil sofrido na infância, porém ao meu ver nada é capaz de justificar o sangue de pessoas inocentes derramados em prol de alguém que não vive sem matar. É como deitar a cabeça no travesseiro e sorrir pelo dever cumprido. A leitora é produtiva no sentido de passar muito conhecimento para quem gosta de estudar criminologia e pretende se especializar em áreas na qual é necessário o equilíbrio para lidar com diversas situações semelhantes. 

Como não amar alguns canais do Youtube?

22 julho 2016

Alguém disse Youtube? 
Eu simplesmente sou apaixonada por tudo que envolva o universo dos canais, vídeos e afins que existem nesse site. É aquele esconderijo secreto que vou atrás toda vez que quero aprender algo novo e diferente. É encontrar um pouquinho mais de inspiração em outras histórias, aprendizagens e exemplos.

Devido a essa paixão por tudo que possa existir nesse meio de divulgar ideias, pensamentos e dicas, vou compartilhar com vocês os 4 canais que mais acompanhei na última semana, aqueles que sou capaz de me identificar, seja pela carinho depositado nos vídeos ou pelo assunto abordado. O Youtube é um tipo diferente de arte que sempre quer dizer algo.

Encontrei o canal da Débora por acaso enquanto pesquisava alguns assuntos referentes a disciplina de História, e como um dos principais assuntos dos seus vídeos é criar resumos que expliquem conteúdos abordados na grade curricular dessa matéria, eu simplesmente me admirei pela capacidade de ensinar assuntos com tanta facilidade, assuntos que na maioria das vezes são tão complexos, até mesmo para alguém de humanas (como eu hehehe). Além disso, a Débora também dá inúmeras dicas sobre os vestibulares e principalmente o Enem, técnicas simples que fazem toda a diferença na hora de escrever uma redação, e assuntos que se relacionam com a vida universitária e questões sobre as escolhas feitas na adolescência. 

Os vídeos da Stephanie são incríveis. Sabe quando você está distraído e encontra algo tão ótimo que não consegue imaginar como é possível que minutos antes nem saiba da existia disso? É exatamente assim que consigo definir a descoberta do seu canal; o primeiro vídeo que assisti foi uma análise sobre comportamento, como sou alguém extremamente tímida (algo que não suporto ser hehehe), suas palavras sobre timidez e a experiência dela com isso me ajudou muito a perder a insegurança que eu tinha em relação a quase tudo. Sua playlist é repleta de conteúdos femininos, comportamento e assuntos aleatórios que vale muito a pena conhecer. 

E o que falar do canal mais apaixonante de todos que já conheci? Eu simplesmente amo a simplicidade da Karol; seus vídeos são tão espontâneos que parece que ela está do nosso lado mesmo, conversando conosco como se fossemos melhores amigas. Lá existem as coisas mais legais e incríveis do mundo. A comunicação que a Karol tem com o publico é o que mais me chama atenção, sempre passando algo tão positivo capaz de marcar o dia de alguém. Um canal para quem gosta de look, moda, viagens e acompanhar tudo o que acontece na vida de uma vlogueira que ama compartilhar sonhos por aí. Gente, ela carregou a Tocha Olímpica, existe algo mais incrível que isso?

Se existe uma mulher capaz de entender o que é ser mulher de fato é a Taty. São dicas ótimas sobre a realidade das mulheres, e principalmente discussões sobre a sexualidade, algo que parece um bicho de sete cabeças, um assunto que pode ser discutido com naturalidade e sem preconceitos, pois vai de acordo com a necessidade de cuidar da saúde e coisas simples que valorizam ainda mais a imagem da mulher; uma das principais qualidades da Taty é fazer a gente rir mesmo com os assuntos mais sérios, só para encontrar um jeito de facilitar o entendimento dos seus vídeos.

Esses são apenas alguns dos meus canais favoritos, ainda existe muito mais descobrir, pois é nesse aplicativo (e site) infinito de ideias incríveis que descubro um pouquinho mais todos os dias sobre coisas que ainda eram totalmente desconhecidas por mim, e a necessidade de absorver cada palavra é uma novidade que sempre insisto em compartilhar com alguém, e sair escrevendo sobre tudo que aprendo é um prazer que vem se transformando em um hobby diário. 

  • E quais são os canais favoritos de vocês? Não esqueçam de compartilhar conosco, e se algum dos leitores tem o próprio canal no Youtube (o que acho muito legal), não esqueçam de comentar o link, por favor. Bj. 

E quando o mundo tira muito da gente [...]

21 julho 2016

Aconteceram tantas coisas nesses últimas dias, e eu não sei como começar, apesar de saber que haverá espaço para todas as palavras que invadem minha consciência a cada instante rápido e incerto no qual sou submetida a me recordar.

A vida é uma vazio que precisa ser preenchido, e sempre saímos por aí tentando achar algo que nos faça transbordar, procurando algo que faça nossa alma pular e nossos olhos brilharem. Talvez não seja assim. Fora da gente tudo é tão incerto e improvável, são sonhos diferentes, opiniões que se divergem, e vidas que são apreciadas de maneira totalmente contrária a nossa, por isso, essa ideia de buscar no mundo algo que transborde em nós é loucura. Tudo que precisamos está em um único lugar: dentro da gente. 

Esses dias foram os piores, e tive a impressão de que o mundo havia tirado muito de mim. Eu não sabia se deveria correr, ou me esconder por aqui mesmo, só que parecia existir uma única alternativa, que era fugir. Só que quando recuamos diante de um problema, de uma dificuldade, ou daquilo que faz a nossa alma tremer, na verdade estamos fugindo de nós mesmos, de uma lição que deveríamos aprender, ou um ensinamento que poderíamos ter adquirido. 

A vida acontece quando não estamos tentando fugir. São tantas projetos não compridos, metas estabelecidas que nunca foram alcançadas, responsabilidades transformadas em ócio; deveríamos viver e não apenas existir, mas é como eu disse, o mundo, da mesma maneira que tira, também nos acrescenta, não a ponto de transbordar, mas o suficiente para buscar mais. 

Tantas coisas me trouxeram até aqui, e hoje tentei me lembrar de todos os momentos em quase vacilei, que quase dei meia volta e chorei demasiadamente até a alma secar, até sentir que o coração estava mais leve. Mas eu coloquei na cabeça, do mesmo jeito que haviam me ensinado, que não vale a pena ter uma vida de quase. É uma pequena diferença que separa a vitória da derrota, uma conquista do fracasso. É dar o primeiro passo e não conseguir, dar o segundo e falhar, dar o terceiro e cair, e nessa ação, as pessoas param e falam: eu quase cheguei lá, quase cheguei ao topo, ao emprego dos sonhos, quase alcancei a nota mais alta.

A gente permite que a coragem vá embora lentamente, só que dessa vez mais rápido do que quando ela veio; e temos tanta dificuldade em abandonar o medo, mas se dermos uma pequena brecha, ele volta, ainda mais traiçoeiro e cruel, intimidando grande parte dos nossos sonhos, e vencê-lo pode ser ainda mais difícil, mas para uma alma sonhadora, nada é impossível. 

Não estou dizendo para ultrapassarmos as barreiras mais fortes da nossa vida sempre, talvez não seja agora que os muros caiam, talvez seja uma questão de amadurecimento ou tempo, mas o que realmente vale é o pouco que fazemos todos os dias, sem desistir. Esses pequenos detalhes mudam a vida de uma maneira intensa demais para ser simples, mas tudo o que precisamos é repor tudo aquilo que o mundo nos tira, e o único jeito, é encontrar dentro da gente a certeza que ainda nós mantém de pé. 

A escrita é abrir os braços e se jogar, sem medo

19 julho 2016

Essa sede pela escrita havia começado cedo demais, e escrever já não era um hobby como qualquer outro, como ir acampar só no fim de semana, ou contar os dias que faltam para aquele domingo chegar enquanto se gasta tempo atrás de uma mesa de escritório em um emprego que você odeia. 

Um dia eu estava na janela do ônibus, observando lentamente enquanto o trânsito me fazia demorar mais alguns minutos para chegar em casa, e era uma paisagem tão silenciosa e escura ali fora, apesar das pequenas lâmpadas que contornavam as ruas. Ainda faltava muito para uma madrugada fria se aproximar, e não estava quente como eu queria que estivesse, mas já era o bastante para absorver cada detalhe de como tudo é sempre tão passageiro. Em um segundo, você está aqui, mas em outro, você pode se descolar para qualquer lugar, pode fugir, ir embora para sempre, não dar mais notícias, mas a escrita, não. Ela não foi tão covarde como você havia sido. 

Ao contrário, a escrita sempre esteve aqui, até mesmo quando você me fez escrever páginas inteiras sobre a dor que havia me causado, sobre aqueles cacos que se desprenderam dentro de mim tão facilmente, me cortando por dentro como se eu fosse aquela garotinha frágil e inocente, como uma boneca de porcelana, mas eu era o seu brinquedo favorito, e você minha única poesia. 

Eu ouvia NXZERO no último volume depois de um dia turbulento no ensino fundamental quando meus pais não estavam em casa, e esperava eles chegarem para poder ir a biblioteca e me distrair pelo menos um pouco de você. Minha caneta rabiscava inúmeras páginas de um rascunho velho e esquecido, e só pela vontade  de queimá-los a cada vez em que preenchia seu nome entre as linhas, eu os guardava como se pudesse guardar você para sempre. 

Mas você foi embora, e a escrita ficou; seu jeito estava sempre entre minhas palavras, seus olhos castanhos, tão belos e incompressíveis, eram o pedacinho que completava o vazio de folhas em branco, de cadernos incompletos, e de uma alma cheia de problemas que não podia concertar. Afinal, a adolescência é um sinal de bagunça e fim do mundo, não é?

E foi engraçado a primeira vez em que joguei futebol, com um time de verdade ao invés de uma partida rápida no vídeo-game. Foi engraçado como eu era uma péssima jogadora, e errava grande parte das jogadas, mas eu conseguia rir até mesmo quando tudo parecia perdido, e o meu primeiro gol foi uma dedicação silenciosa a você, porque você era um dos melhores do time do colégio, simplesmente apaixonado por futebol, e eu me questionada para quem você dedicava todos os seus gols. E se existisse alguém, se havia alguma possibilidade de ser eu?

Mas eu era tão iludida, tão cabeça de vento, como é possível uma pessoa imaginar tantas coisas que nunca chegariam a acontecer? Às vezes, eu volto ao passado, sim, eu volto, dou meia volta e quando me vejo, estou naquela sala cheia de alunos tediosos e insuportáveis, porém em meio a tudo, eu ainda escrevia aquelas cartinhas secretas para você, e você ria, por saber que era eu a remetente. 

Será que existe alguma chance agora, de apagar o passado e começar outra vez, só que de um ponto que não fosse tão incerto e nebuloso igual o nosso primeiro e último beijo? 

Tudo se desfez, menos aqueles versos que escrevi em um tempo onde não existia nós. As tatuagens que criei, não no corpo, mas no coração, hoje são o que mantém meus pés no chão. As palavras foram minhas aliadas em todos os instantes, mas a saudade que você deixou foi demais, intensa demais para um dia ser capaz de esquecer que existe a escrita me aproximando de você.

Escrever é mais do que colocar um pedaço da alma no papel. Tudo flui tão naturalmente, é fascinante o quanto elas são capazes de te conduzir por um tempo tão incerto, um lugar qualquer do passado, ou um sonho a ser vivido, e até mesmo quando se tratam de sentimentos tão particulares escritos por aí. 

Nem todas as galáxias juntas conseguem destruir esse sentimento de captar e jogar tudo no papel, como se fosse uma queda livre em direção a algo que não se pode enxergar ainda, a escrita é abrir os braços e se jogar, sem arrependimentos ou medos. 

Eu admiro o que te faz ser assim, do jeito que você é

18 julho 2016

Sei que não é fácil como muitos pensam. É um desfiladeiro sem volta, um abismo que talvez não haja fim. Sei como é se entregar na próxima tentativa e quebrar a cada na parede seguinte. São hematomas internos que não sangram, mas doí, que não faz o corpo tremer de verdade, mas faz a alma ser sacudida por terremotos e barulhos ensurdecedores, apesar do silêncio repousado sobre suas próprias palavras. 

Sei que chegará um momento em que todas as tentativas já terão sido esgotadas, e todas as chances reduzidas ao zero, e todos os sonhos criados no passado serão as páginas em branco do seu presente. Tantas expectativas foram quebradas e levaram a tantas estradas sem saída, como ter a certeza de que tudo será diferente a partir de hoje? Sei que a dúvida também irá corroer um pouquinho da certeza que ainda cresce em meio ao esmagador peso da culpa. Não precisa me contar, eu sei.

Foram tantas quedas até aqui, como não se machucar em nenhuma delas? Como se tornar impenetrável após tantas escolhas erradas? Uma parte de você simplesmente cansou de atirar para qualquer lado e nunca encontrar o alvo certo, não é? 

Aqueles pensamentos se tornaram reais: será que a culpa é minha? Será que não sou capaz, ou bonita o suficiente? São tantas questões impensadas após a presença de lágrimas tão repentinas, você suspira, e parece que nada mais faz sentido, que tudo a levou apenas para a asfixiante solidão. Não estamos destinados a ela, mesmo que seja difícil escorregar por tantos chãos molhados e continuar pensando o contrário, mas acontece. A vida é imprevisível. 

Sei que você continuará tentando, porque tentar é tudo o que resta, tentar é a única chance que temos, a única oportunidade de não esbarrar em portas fechadas, de não parar antes de dar o próximo impulso. Mas eu sei que não é fácil. É correr o risco de não dar certo, de ser deixado para trás quando menos esperar, é esquecer o medo e perceber que ele te encurralou em uma esquina qualquer. É sorrir e no próximo segundo ser conduzida pelas lágrimas.

Você sentirá aqueles pedaços quebrados dentro de você, e será como pisar descalça em cacos de vidros, perfurando a pele, porém é doer sem existir qualquer gota de sangue. 

Mas eu também sei, que apesar de todos os ressentimentos que você tentou perdoar e fracassou, haverá uma força te impulsionando para frente, sem retroceder, sem parar, sem te fazer olhar para trás e esquecer que existe um caminho adiante, mesmo que cheio de buracos, lições, quedas, sei que você é mais forte do que qualquer decepção, mais resistente do que qualquer outra desilusão. E você vai continuar, apenas por você. 

Reflexão da música Faz Parte - Projota ft. Anitta

17 julho 2016

Às vezes, conhecemos coisas nas quais nos apaixonamos muito rápido, sem hesitar, sem medir as consequências, e quando percebemos é tarde mais, porém é nesse pequeno instante, um pouco incerto, que a vida finalmente acontece. 

Quando assistimos um filme e a primeira cena já é capaz de prender nossa atenção por completo, a ponto de existir no mundo somente aquela cena, ou quando conhecemos alguém tão especial e incrível, e essa pessoa é capaz de despertar aquela admiração profunda e incompreensível, talvez pelo seu jeito tímido ou sua inteligência. 

E quando os nossos sentidos são responsáveis por captar a essência de uma música, de um som totalmente novo e desconhecido? Será que existe um pouco de paixão em tudo isso também? 

Claro, e muito. E no primeiro instante em que ouvi o refrão da música FAZ PARTE do PROJOTA com participação da ANITTA, eu simplesmente pensei na existência desse post sem ao menos começar a digitar no notebook ou escrever em um papel qualquer: tudo já estava muito intricado em minha mente. 

Essa música tem uma essência única e muito particular. Não é apenas a junção de ritmo, harmonia e pausas que a tornam tão bela, e talvez seja até a letra romântica e reflexiva, porém o que torna um som tão especial e singular é o que você consegue captar por meio dele. E quando finalmente compreendi a mensagem que a música FAZ PARTE quer transmitir, percebi que talvez eu não seja a única a arrancar tantas reflexões impensadas das músicas que escuto. 

Consigo colocar meus fones de ouvido e viajar por mundos desconhecidos, descobrir sensações, emoções e sentimentos que são apenas meus. Música é uma passagem gratuita para o auto-conhecimento, segundo os terapeutas e psicólogos. 


"Você é tão insuportável
insuportavelmente imprevisível
Incrivelmente incrível
Improvável, impossível
inevitavelmente indefinível
Incontrolavelmente irresistível
Faz parte sentir saudade
Faz parte sentir saudade 
Faz parte sentir saudade de você."

A vida é um grande amontoado das coisas que sentimos, e todos os nossos sentimentos são fórmulas mágicas que definem vários pontos na nossa vida. E é incrível como amamos outras pessoas de maneira tão intensa, e ao mesmo tempo tão simples e complexa. 

Nossa família, os laços de amizade que marcam de maneira tão positiva a vida, aquelas pessoas que sempre estão ao nosso lado, presentes e acrescentando o tempo todo algo, são a nossa base. Se fossemos as piramides do Egito ou os triângulos da geometria, tudo isso seria a nossa base.

E quando essas pessoas vão embora? E quando uma distância é capaz de separar dois corpos por muito tempo? E quando uma amizade acaba de repente por motivos tão bestas? E quando as diferenças separam duas pessoas para sempre? E quando uma briga coloca fim a tudo aquilo que havia sido construído? 

A saudade se torna inevitável. Um amontado de saudade batendo contra o coração, um sentimento de partida insuportável, a boca seca e o estômago vazio. É como um peso esmagando o pedacinho que esse alguém preencheu. E talvez as coisas não mudem, talvez a despedida não seja desfeita e saudade não vá embora no próximo segundo. 

Por isso é tão importante aproveitar cada segundo que passamos ao lado de alguém que hoje amamos. A vida exige muito de nós, e uma dessas coisas é entender que faz parte sentir saudade. 

LAYOUT NOVO + SORTEIO DO LIVRO: SÓ A GENTE SABE O QUE SENTE

16 julho 2016

*regras do sorteio no final do post

Desde o primeiro instante em que criei o blog para expressar tantos sentimentos acumulados e pensamentos que pareciam transbordar da alma, nunca imaginei que pudesse ser possível crescer tanto como pessoa. 

Ter um blog é bem mais do que ter um espaço na Internet, muito mais que conseguir curtidas na página, ou ler aquele comentário rápido no Instagram. É uma sensação única de dever cumprido e responsabilidade, pois todos os que pertencem a blogosfera são formadores de opinião, são capazes de influenciar e auxiliar uma quantidade infinita de leitores. 

Evoluir é uma oportunidade incrível, principalmente quando somos capazes de aproveitar esses momentos tão essenciais para o nosso amadurecimento. É automático, você cresce, e todo os pedacinhos soltos de você que há no blog também crescem. 

E de um tempo para cá, venho idealizando um novo "estilo" para todo esse sonho em forma de blog. Nossa alma busca inovação, criatividade, e tudo o que possa marcar nossa presença na vida de alguém, e esse alguém, são os leitores que às vezes passam por aqui. Não construí tantas postagens, tantas opiniões impensadas e aleatórias para deixar o silêncio no lugar de tudo isso, afinal, "os homens não se fazem no silêncio, e sim na palavra, atitude e ação."

E são nas palavras que quero deixar uma parte de quem realmente sou, na atitude de sempre buscar o conhecimento, de jamais abandonar a vontade de aprender - vontade que me consome a cada instante - e a ação que quero conhecer tantas histórias parecidas e diferentes da minha. E no blog, encontrei muito mais do que isso. 
Aprendi que somos mais do que apenas união, somos inteiros aqui. 

Sempre quis que houvesse uma simplicidade no layout, e um pouco de uma beleza discreta, algo gritante no conteúdo, detalhes que fossem intensos a ponto de tirar um sorriso rápido. E aqui está o trabalho maravilhoso da Larisse, simplesmente talentosa. Espero que tenham gostado de como tudo ficou depois dessa mudança, pois eu ainda estou tentando não me apaixonar ainda mais por esse pequeno passo que o blog deu. 

Para comemorar, teremos o nosso primeiro sorteio - primeiro de muitos, aliás. Os itens que estão sendo sorteados são o livro do autor Frederico Elboni, uma agenda da Capricho, e de brinde uma lapiseira da Faber-Castell.
Para participar é muitíssimo simples, você pode seguir o Facebook, o Twitter, ou comentar o post no blog, e cada uma dessas ações valerá um ponto, ou dois, ou três, e quanto mais pontos tiver, maiores as chances. 

O sorteio será no último dia do mês, dia 31 de Julho, e o nome do ganhador será divulgado aqui no post e nas redes sociais. BOA SORTE <3


a Rafflecopter giveaway

A simplicidade de amar o essencial

15 julho 2016

A vida é mesmo uma caixinha de surpresa. Para ser sincera, é mais um esconderijo em que, às vezes, nem mesmo o tempo é capaz de descobrir. É como um livro, onde os próximos capítulos ainda são folhas brancas e incompletas. 

Foi entre um riso e outro que você me fez dar, que compreendi que a vida é tão engraçada. Nunca imaginei que pudesse existir tantas portas fechadas, nem que minha próxima queda seria quando tudo estivesse tão quieto, porém grande parte das coisas que fui obrigada a suportar sempre chegaram tão de repente, tão silenciosamente, enquanto eu permanecia tão distraída.  

Ao mesmo tempo, não saber o que vai acontecer é como correr o pior dos riscos, é um toque assustador e fascinante. Em todo instante parece que a vida reserva uma outra escolha, um novo motivo para fazer tudo diferente, uma nova razão para valorizar as descobertas, encontrar novos sentimentos e renovar o que há muito tempo se tornou rotina. 

Lembro-me de quando você ainda estava perdido, quando seu mundo era uma conspiração contra tudo e todos, e você só enxergava o cinza sob o céu azulado de calmaria acima de nossas cabeças. E a sutileza de suas palavras, mesmo que tímidas, viraram tudo o que eu sabia do avesso, e mudou completamente tudo pelo qual eu tinha certeza. 

Ainda não consigo entender como pessoas tão simples e sutis podem revirar a cabeça de alguém da maneira que você fez comigo, mas acontece, afinal, a vida é aquela caixinha de surpresa, lembra?

É por isso que lutarei todos os dias para continuar amando os detalhes, as pequenas coisas que sempre fizeram parte da chama que sempre me deixou aquecida, como aquelas vezes em que abri a janela e agradeci pela vista da rua, pela calmaria dos céus, pelas pessoas que caminhavam na calçada, e principalmente por existir um pouco de sua simplicidade em mim também. 

Você me deu a liberdade de amar a essência de tudo o que completa nossa vida, mesmo que sejam apenas surpresas reservadas na próxima ida, no passo seguinte, na escolha que faremos daqui em diante. É a simplicidade dos sorrisos que você me arranca, dos abraços que você tira, dos beijos que não consigo resistir, que faz eu tanto querer alimentar ainda mais a beleza dos seus gestos. 

Lembre-se que nessa incerteza chamada vida, eu sempre serei o seu abrigo. 

Se tornando blogueira profissional

12 julho 2016

O Blogger é uma plataforma extremamente ampla, e em cada clique, é possível encontrar um conteúdo diferente abordado por um determinado site/blog, e por conta disso, é fácil escolher um no meio de tantos, porém é difícil um leito encontrar qualidade e características especificas nessa escolha. 

Esse post é uma oportunidade de mostrar alguns pontos que estão fazendo a diferença na minha carreira como blogueira, e que também serão as chaves que faltavam para seu trabalho ser valorizado e visto como com muito carinho, assim alcançar um público ainda maior no seu dia-a-dia. 

DICA 1. PACIÊNCIA
A paciência é algo que está em falta no mundo, e as pessoas carecem desse tão importante recurso sem se importarem ou darem conta do desperdício que é ser impaciente. Tudo é uma questão de tempo, é um crescimento, onde cada minuto é um degrau de uma longa subida. Não nascemos grandes, porém vamos nos tornando à medida que o tempo avança. 

Nada é mais forte do que a essência de esperar, por mais demorado que seja. E ter um blog se baseia nesse mesmo pensamento: saber esperar. Grandes blogueiras não conseguiram esse tal "conhecimento" da água para o vinho, é um processo, e não existe maneira de adiantar os pontos, ou pular uma parte. É inevitável. 

DICA 2. DEDICAÇÃO
Os grande feitos não se constroem sozinhos, não caem do céu, não batem a nossa porta em um final de tarde qualquer, são as nossas caminhadas, nosso trabalho duro, e nossa capacidade de fazer o melhor que podemos, e sempre, forever, buscar aprimorar o que fazemos com tanto amor, afinal, isso nunca falha. 

Todos os dias faça algo a mais, mesmo que seja algo simples, a simplicidade é algo que devemos abraçar sem hesitar, porque é ela que completa quem somos. Se criar um post, use toda sua criatividade, escreva com o melhor que existe em você. Não tenha medo de demonstrar suas ideias ao mundo, seja você.

Trabalho duro se baseia em disposição para correr atrás de tudo aquilo que alimenta os nossos sonhos, mas vale lembrar que a dedicação está na simplicidade de fazer coisas pequenas virarem grandes, como mover pedra por pedra até mover uma montanha. 

DICA 3. CRIATIVIDADE 
Crie uma rotina de publicações no Blog ou Youtube, mas tenha determinação para cumpri-la. Lembre-se que os leitores que acompanham suas publicações esperam que você poste naquele dia, ao invés de demorar semanas para disponibilizar aquele conteúdo.

A criatividade, na maioria das vezes, é o que irá fazer uma blogueira se destacar, é um dos fatores mais importantes na hora de fazer uma parceria ou divulgar seu trabalho, e isso tem haver com originalidade. Busque novas alternativas para se inspirar por aí, assista filmes, séries, ouça música, escreva, mas encontre dentro de você o que precisa. Isso é ser original. 

Se mantenha atualizada(o), e tente procurar novos meios de inovar o que você já faz, ou recriar o que já virou rotina, ou renove o que já perdeu a graça. Todos os dias descubra uma nova blogueira(o) que existe em você, pois essa é uma maneira de surpreender a si mesmo e aos seus leitores. 

DICA 4. COMUNICAÇÃO 
À medida em que o blog vai crescendo e alcançando ainda mais leitores, muita gente se sentirá curioso para entender a garota que existe por trás das postagens, e um meio de criar uma comunicação com a blogueira é através dos comentários de cada postagem, e nada melhor do que ver que existe uma preocupação para que essas mensagens seja resolvidas. 

As pessoas gostam de atenção, e quanto mais atenção é possível oferecer a alguém, mais ela irá se sentir valorizada, e a comunicação é ponte que une as grandes diferenças que existem no mundo. É como transmitir e captar uma resposta, uma crítica, uma sugestão, e cabe a blogueira estar disposta a absorver tudo de maneira construtiva. 

DICA 5. INVESTIMENTO E AMOR
Investir é fundamental. Nada melhor do que olhar o blog e sentir aquele orgulho interno dizendo que você está deixando aquela marca no mundo, uma mensagem que pode tocar, mudar, inspirar alguém, é mágico, e ainda mais especial esperar que o leitor olhe para o blog da mesma maneira, é uma sintonia que vale muito a pena sentir. 

Invista na qualidade dos seus vídeos, escolha o cenário ideal para gravar, busque layout claros e não muito pesados, que representem logo de início a mensagem que o blog quer transmitir,  tudo servirá para dar um toque inovador e especial. 

O seu trabalho vai preencher grande parte da sua vida, e a única maneira de ficar realmente satisfeito é fazer o que você acredita ser um excelente trabalho, e a única maneira de fazer um excelente trabalho, é fazer o que você ama. 

A resiliência como escudo

07 julho 2016


O medo é um sentimento tão simples de ser definido e ao mesmo tempo tão complexo de ser sentido, é aquela pontada de incerteza batendo contra os seus batimentos, é aquele breve e silencioso tremor percorrendo seu corpo, é como uma paralisação instantânea que dura pouco mais de segundos. 

Boa parte da nossa vida é marcada por uma série de acontecimentos e experiências, que semelhante a um livro, podem querer contar uma história positiva, como também diversos pontos ruins e árduos, porém cada alma é narrada, ao longa de uma vida inteira, de acordo com essa realidade. 

Somos seres humanos mortais, sem poderes sobrenaturais ou dons extraordinários como os heróis de filmes que assistimos no Netflix ou na Sessão da Tarde, porém essa condição não nos fazem mais fracos ou menos fortes. 

Aprendemos e evoluímos, ou regredimos e estagnamos em consequência da maneira como somos capazes de nos adaptarmos aos obstáculos, problemas e desafios; o que realmente vale não é o tamanho deles, mas a forma como o seu psicológico atua para enfrentá-los. 

Ninguém é igual a ninguém, conhece essa frase? Pois é, nossa mente é um universo único, um pedaço de algo que apenas nós conhecemos bem o suficiente para entendermos, e os outros, só tentam entendê-lo. 

Nossa mente é treinada para suportar basicamente tudo que pode surgir na curva do próximo caminho, porém alguns fatores, como por exemplo, as experiências vividas na infância, sua predisposição genética ou o seu nível de Ocitocina (hormônio anti-estresse), são essências para definir por que as pessoas agem de maneira tão diferente diante de um mesmo problema. 

Confiança, positivismo, inclusive o controle das próprias emoções, podem ser alcançados através de processos dinâmicos que buscam o auto-conhecimento, auto-avaliação, e o questionamento do quanto uma simples atitude pode ser capaz de mudar o restante do seu dia, da sua semana, ou o ruim de sua vida. 

Ser resiliente é muito mais do que ser flexível para remar contra a maré, ou enfrentar uma tempestade no qual todos fogem, é enxergar, em cada desafio, um degrau; um degrau que te faça alcançar a vitória sobre si mesmo, que te transforme em um exemplo de superação a ser seguido, porque em cada desafio, existe uma oportunidade esperando apenas que você a veja. 

Não tenha medo de pontos finais

01 julho 2016

Algumas coisas são inevitáveis, e o fim, é uma delas. 

Às vezes, é algo que já estamos convictos de que irá acontecer, e existem outros instantes em que o fim é apenas mais uma surpresa que a vida expõe quando menos esperamos, é como não saber quais folhas cairão de uma árvore no próximo outono, ou quantas vezes irá chover nos próximos meses, existe uma previsão, porém a incerteza é tudo o que ainda prevalece. 

E uma parte de mim continua sendo assim: tentando adivinhar quando começará o próximo capítulo, quem serão os novos personagens, como será o lugar onde se passará a primeira briga, ou o último beijo, ou a inusitada partida, é tudo tão incerto que a nossa mente faz questão de pregar peças. 

Finais nos deixam em pânico, mudam a maneira como somos capazes de controlar nossos próprios pensamentos, a segurança que temos de tudo desaparece tão rápido, como uma brisa instantânea bagunçando seus cabelos, como aqueles cinco minutinhos que damos a nós mesmos em uma manhã fria e cinzenta. Tudo se torna limitado quando os finais nos atingem como se fossemos o alvo. 

Seja o fim de um relacionamento que você se esforçou para manter por tantos anos, seja o fim daquelas amizades que você jurou preservar pela eternidade, ou o fim de um emprego que você lutou muito para conquistar [...] fins, ao mesmo tempo em que são libertadores, são cansativos e nos fazem imaginar que estamos levando um pesar dentro do peito. 

Fins são a combinação de tudo que é necessário e essencial, ainda que arranquem inúmeras lágrimas e noites inteiras de insônia. Finais são a certeza que temos de que poderemos recomeçar quando tudo chegar ao fim, é a garantia de que ainda teremos a oportunidade de abraçar novas causas, ou descobrir novos propósitos. 

As pessoas se prendem ao que fazem, aos relacionamentos que não dão certo, as coisas do passado que atrasam o presente, as derrotadas que insistimos em reviver tantas vezes, mesmo que já tenhamos nos levantado depois de inúmeras quedas. Essas e tantas outras histórias precisam de um final, porém um final que represente um recomeço, uma nova esperança, uma nova maneira de observar a vida. 

Nós temos a mania de nos apegar ao que temos hoje com medo de enfrentar os finais, porém não é o fim que afeta tanto a nossa coragem e ousadia, e sim o receio do que virá depois, a inquietação quanto ao que acontecerá quando deixarmos o apego para trás. 

Talvez você não tivesse conhecido aquela pessoa incrível, e nem tivesse aprendido tanto no seu emprego atual se não fosse o fim daquele antigo relacionamento ou o fim do seu estágio naquela empresa. Finais existem para mostrar algo que a maioria das pessoas ainda não enxergam.

Lembre-se, aquele fim é apenas um recomeço.