E quando amanhecer, eu já vou estar diferente - 18 anos

10 março 2016

Eu acordei e não tive medo de olhar para trás outra vez.
Sim, chorei por ter desistido antes do tempo, sofri quando o primeiro cara que amei quebrou meu coração, desmoronei por motivos tão inesperados, e minhas lágrimas disseram muito sobre quem eu realmente era.

Sempre tive a impressão de que a vida tem um significado especial e único, apesar de jamais parecer tão óbvio nem mesmo quando paramos para refletir na maneira em que somos conduzimos por essa estrada chamada vida. Sempre tive a certeza de que os dois dias mais importantes da vida de alguém é quando ela nasce e quando ela finalmente descobre o porquê, e sempre tive a crença de que eu sabia exatamente qual propósito eu estava seguindo.

Ano passado eu disse que não estaria aqui, disse que abriria mão de todos os meus objetivos para escolher uma carreira que não fosse considerada tão "diferente" como a escrita e literatura, mas agora, quando olho para trás e vejo que fracassei em cada tentativa para fugir do meu destino, percebo o quanto minha linha de raciocínio estava errada. Não podemos nos esconder, e não podemos fugir daquilo que amamos, pois está em nosso sangue. 

Nunca pensei que olharia para trás, ainda com 17, e compreenderia que cada escolha que fiz me trouxe até aqui, me deu a liberdade que tenho hoje, a segurança e a certeza que tento ter diante de qualquer situação. Se não fosse os meus erros, eu jamais teria encontrado respostas em meus acertos, e se não fosse a renúncia, eu nunca teria encontrado a doce paisagem de novos caminhos.

É difícil admitir que cheguei até aqui, ainda mais tendo a vida que tenho hoje, fazendo as escolhas que faço todos os dias, mas eu aprendi que cada pedacinho da minha vida é um pedacinho da minha alma que deixo por aí, para as próximas gerações, mesmo que as vezes minha única companharia tenha sido minhas próprias lágrimas.

Uma hora cansa não ter pelo quê agradecer, uma hora não vale mais a pena continuar sem um propósito ou um simples motivo para querer alcançar algo ainda maior, mas hoje eu acordei e quando abri a janela do quarto, e o céu azulado deu uma pequena brecha para o brilho do sol penetrar meu rosto, eu senti que haviam 18 motivos para agradecer, 18 motivos para sempre seguir em frente, e 18 motivos para nunca desistir de quem eu era e quem eu realmente queria ser.

0 comentários:

Postar um comentário