Por todos os motivos que me fizeram não ter medo

26 janeiro 2016

Lembro de uma parte da minha infância como se fosse ontem, como se apenas tivessem se passado alguns meses desde então, e que as memórias são tão recentes quanto aquele gostinho de liberdade única e o frescor de não haver nada nos impedindo de sermos crianças para sempre. 

Mas a realidade sempre surge sufocando, e acaba com uma ideia, com um pensamento, quebra laços que jurávamos eternos, aniquila nossa maiores certezas, e tudo foge de nós como o vento indo embora, como um balão voando para longe, como um trem passando sem pausa e interrupção, e o passado ficando cada vez mais congelado no tempo, inalcançável para a gente. 

Quando eu estava na sétima série do ensino fundamental, uma parte de mim era cheia de desejos somente meus, e enquanto observava as pessoas ao meu redor com seus próprios medos e sonhos, percebia exatamente quais passos eu queria dar em direção ao futuro.

Minha amiga, uma das melhores na época, adorava conversar comigo sobre vídeo-game, e eu gostava muito de ouvi-la com tantas expectativas, afinal, nossa infância era isso, conversas, brincadeiras, risadas alegres, e nada mais, e ela sempre citava o jogo Resident Evil em nossos papos. Morria de vontade em chegar em casa, jogar minhas coisas sobre a cama, e ir jogar meu velho Playstation 3 durante minutos inteiros de distração, mas eu queria jogar justamente Resident Evil, só que existia um porém, eu morria de medo. 

Isso mesmo, medo. Não do jogo em si, mas do que existia dentro dele, medo de desvendar seu conteúdo, sua história, os inimigos, as surpresas em meio a trama, e eu nunca soube controlar esse medo, que na época soava até ridículo, porém um dia, quando já não aguentava fugir de um desejo que era tão meu, e que crescia lentamente, absorvendo cada obstáculo que o pânico construa, e desmoronando cada parede de concreto, eu tomei a decisão de jogar Resident Evil. 

Foi meio embaraçoso, meio desconcertante, e até mesmo fácil lutar contra uma incerteza tão grande, e no final, apenas uma decisão me tornou a pessoa mais corajosa se tratando de vídeo-game, e não é diferente no mundo real. Todos os dias, em todos os segundos, e em todas os 365 dias de um ano, a vida faz surgir um desejo diferente em nossos corações, seja escolher uma faculdade nova, ou começar a academia, ou iniciar uma dieta, ou conhecer um novo amor, ou dar uma chance a alguém que mereça, e deixar para trás as histórias que sempre fizeram parte da nossa vida para conhecer uma outra história que está de braços abertos para nos receber.

A vida é caixinha de surpresa, viva cada uma sem medo do que pode ter dentro. 
(CRIADO POR LUANA GALDINO)

6 comentários:

  1. Oi linda, amei o blog e os conteúdo, estou seguindo <3
    http://quasemadame.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi minha linda, obrigado, volte sempre, seu carinho é muito importante para mim.

      Excluir
  2. Que delícia de ler essa postagem, Lu! Maravilhoso observar como capta o lado positivo de tudo e observa que cada porta tem suas oportunidades imperdíveis. SUCESSO!

    SEMQUASES.COM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa, obrigado pelo carinho, eu fico tão feliz que tenha gostado, espero que continue acompanhando postagens como essa, desejo igualmente a você muito sucesso. Bjs.

      Excluir
  3. Adorei o post, vc escreve muuto bem um beijo
    rascunhosdalyh.blogspot.com

    Seguindo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Linda, eu fico muito feliz por ter gostado do meu texto, fique a vontade, e volte mais tarde.

      Excluir